Sentiu o cheiro da morte, mas era só o coração que havia sido partido.
60
reblog
via/source
"Que seja tão doce quanto um algodão doce nas noites de alegria. E que seja tão puro e simples como a chuva no fim do dia. E que seja tão sublime quanto um beijo de bom dia. Enfim, que seja tão sincero quanto esta poesia."

- Aline Nobre.

9421
reblog
via/source
"Sei daquele papo todo de “só espero que você seja feliz”, mas não, eu não amo bonitinho assim, eu realmente espero que você encontre outra pessoa, que seja tudo um mar de rosas, que você se apaixone perdidamente por essa pessoa, e quando estiver igual eu, cega, entregando tudo na mão dela, que ela te chute igual você fez comigo, não por vingança, mas pra você aprender o quanto dói depositar todas as suas esperanças e sonhos em alguém que nunca se importou."

- Guilherme 

13473
reblog
via/source
#eu me perdi em você  #e eu to me encontrando em ti  #❤️  #s2  

2563
reblog
via/source
"E quando as estrelas estiverem mortas o céu será apenas um grande manto negro que cobre o mundo para dormir. Quando as estrelas estiverem mortas, faltarão metáforas para descrever seu olhar. Quando as estrelas estiverem mortas, as noites serão vazias para os astrólogos. Quando as estrelas estiverem mortas, a lua ficará de luto por ficar alí sozinha, em meio ao infinito."

- Desafagos. 

823
reblog
via/source
"Mesmo num amor de linhas tortas como o nosso, o fim parece um erro, como um ponto final no meio da frase."

- Gabito Nunes.

41064
reblog
via/source
"Às vezes, eu queria que minha vida fosse como nos filmes. Não precisaria me importar com o cabelo, ou ter que ir ao banheiro. Eu encontraria um homem na rua, ele me daria seu coração e nos beijaríamos, vivendo felizes para sempre."

- Amizade Colorida.

1467
reblog
via/source
"Não volto mais. Não adianta resistir na janela, apertar o interfone, mexer as pernas com intranqüilidade, recorrer às paredes, avisar os parentes. Não volto mais. Podes arrumar a casa sem o café, virar o cinzeiro, dispensar os livros arranhados, os discos sublinhados. Não volto mais. Haverá espaço sobrando na mesa, na cama, no banho, no armário. Haverá espaço sobrando em teu ouvido. Não volto mais. Não sentirá o susto de ter adivinhado minhas idéias, o meu desespero em falar das novidades, os meus casacos espalhados nas cadeiras. Não volto mais. Não haverá jogos, apostas e brigas, o calendário permanecerá na mesma folha de novembro, não chegarei mais atrasado, a garrafa de vinho restará à toa, a chuva será água com gás. Não volto mais. Logo esquecerás o número de meus sapatos, o meu peso, o tamanho dos ternos, dos sonhos, dos fracassos. Não volto mais. Comprarás tudo em dobro: o amor, o xampu, os sabonetes, o pão, a comida. Pagarás tudo em dobro para consumir a metade. Jantarás de lado, com a televisão. Fecharás a casa deixando a tranca de dentro aberta. Manterás a esperança na escrivaninha. Não volto mais. Não identificarás as árvores e os colegas em teu trajeto pelo trabalho. Ninguém vai te ligar para entreter o cansaço. Não volto mais. Teu inverno demorará no escuro, teu verão demorará na luz. Não estarei esperando na porta. Faltará alguém para te elogiar. Não confiarás no espelho. Não volto mais. Tuas lembranças serão deserdadas, parte das fotos sumirão de repente, as cartas servirão de rascunhos. Deixarás de comer peixe com receio dos espinhos. Não volto mais. Me chamarás de filho da puta e conversarás com a minha mãe para saber de notícias. Me ofenderás por não te entender, por não te amar, por não insistir. Me julgarás sem direito a opinar. Convencerás tuas amigas que sou desleal, que não fui fiel, que não presto. Tomarás um porre para chorar, a verdade será maior do que a tua vontade de mentir. Não volto mais. O último beijo será o primeiro. Pastarás o pão com as migalhas irritadas, pastarás o papel com as vogais irritadas. Não volto mais. Vais odiar a sala limpa, as estantes alinhadas. Mandarás flores para teu endereço. Minha tosse não te acordará de noite. Não volto mais. Não faremos mais sinais em lojas, não subiremos as vozes no carro, não torceremos juntos. Não volto mais. Tentarás prever onde ando, com quem saio, com quem finjo. Meus cabelos serão nuvens pelo tapete. Retornará o medo de fantasmas, de versos. Não volto mais."

- Carpinejar

819
reblog
via/source
#forcaariano  
"Tenho duas armas para lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte: o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver."

- Ariano Suassuna

1722
reblog
via/source
"Eu gostaria de saber em que lugar no infinito dos meus olhos eu me encontro. Em que fio de cabelo me perdi? Eu não caibo mais nas roupas que cabia e o som ecoando pela minha boca não é mais meu. Gostaria de saber onde é que posso me encontrar dentro de mim, porque agora, neste momento, me sinto flutuando sobre meu corpo, observando meus movimentos de longe. Tenho a sensação de enxergar detalhadamente cada mergulho, como quem espia alguém pela janela. Sinto dizer, que me vi afogando. Só queria perguntar, por favor, se não for incômodo, onde eu encontro o fio da meada? Eu preciso me salvar. Porque eu nunca soube pedir conselhos, nunca soube pedir um ombro. Eu espero que me perguntem sobre meu dia e se encostem ao meu lado no sofá. Eu espero que me forcem um cafuné, que inicialmente irei negar. Nem sei em qual curva me tornei tão introspectiva, com vontade de falar de mim para o papel. Anne Frank tinha razão ao dizer que ele é muito mais paciente do que as pessoas. Porque as pessoas têm suas vidas e suas preocupações. As pessoas querem passar o tempo livre ouvindo uma boa música. Ninguém quer ouvir choramingos numa sexta-feira à noite. Algumas vão à festas, algumas dormem cedo, outras namoram e outras escrevem. Porque o simples fato de olhar-se no espelho é uma inspiração. E eu me pergunto quando foi que surgiram essas olheiras e descobro que mudei completamente em apenas uma semana. E me entupo de medo de acordar e não me encontrar na cama, como quando engoli meu dente de leite durante o sono e não o encontrei na manhã seguinte para entregar à fada do dente. Então escrevo. No infinito das linhas eu sei que não me perco."

- rio-doce. 

63423
reblog
via/source
#favv  
"Porque eu sou assim: na hora eu grito, xingo, faço tudo de cabeça quente e falo coisas que magoam. Depois eu paro e penso que talvez eu devia ter me calado e escutado um pouco mais, que foi errado da minha parte falar coisas movido pela raiva e que eu não tinha toda a razão… Mas fazer o quê?"

- Vinícius Kretek.

10552
reblog
via/source
"Eu, por exemplo, gosto do cheiro dos livros. Gosto de interromper a leitura num trecho especialmente bonito e encostá-lo contra o peito, fechado, enquanto penso no que foi lido. Depois reabro e continuo a viagem. Gosto do barulho das páginas sendo folheadas. Gosto das marcas de velhice que o livro vai ganhando: A lombada descascando, o volume ficando meio ondulado com o manuseio. Tem gente que diz que uma casa sem cortinas é uma casa nua. Eu penso o mesmo de uma casa sem livros."

- Martha Medeiros.  

15093
reblog
via/source
"Ainda é cedo e eu preciso de amor. Só um pouquinho de amor… Quero que ele veja o quanto mudei por causa dele, na esperança de que seu riso congelado saia do automático e eu ganhe um único sorriso verdadeiro… Talvez meu amor tenha aprendido a ser menos amor só para nunca deixar de ser amor…"

- Tati Bernardi.

672
reblog
via/source
#wenn du liebe sich und mich voran  #ich lieben dich  #i love u tom  

616
reblog
via/source

14799
reblog
via/source
"Um dia, ninguém vai lembrar que ela existiu, escrevi no caderno, e depois, que eu existi. Porque as lembranças também desmoronam. Então não nos resta nada, nem mesmo um fantasma, apenas sua sombra. No começo, ela tinha assombrado meus sonhos, mas, agora, apenas algumas semanas depois, já estava me escapulindo, desmoronando em minha lembrança e na lembrança de todos nós, morrendo novamente."

- Quem é você, Alasca?